©  2018 Todos os direitos reservados a Dra. Emilly  Cristina de Bulhões.

  • White Facebook Icon

Tel: 011-5677-2232

Curta nossa página no Facebook.

Rua Eng Jorge Oliva, 342 - Vila Mascote, São Paulo, SP, 04362-060

  • Branca Ícone Instagram

Curta nossa página no Instagram.

Ouvido

Afecções do ouvido:

Otites

Entre as causas mais comuns das dores de ouvidos estão as otites, as quais devido à anatomia, são mais comuns na faixa etária pediátrica.

As otites externas são afecções que acometem o conduto auditivo externo ou o pavilhão auricular e geralmente estão relacionadas a traumas e manipulações dessa região (uso de cotonete e grampos, por exemplo), banhos de piscina e mar.

A otite média é o comprometimento da porção da orelha que fica atrás da membrana timpânica, resultando em acúmulo de secreção nessa região, geralmente após um episódio de resfriado.

Durante um episódio de otite pode ocorrer perfuração do tímpano com saída de secreção purulenta pela orelha, podendo haver melhora da dor. Na maioria das vezes essa perfuração se fecha espontaneamente.

Há ainda a otite crônica colesteatomatosa, onde há formação de um tumor benigno dentro do ouvido, cursando em muitos casos com secreção fétida recorrente.

Sintomas
Otalgia (dor), otorréia (saída de secreção purulenta), hipoacusia (diminuição da audição), prurido (coceira), tontura, zumbido.

Crianças pequenas podem apresentar: choro sem “motivo” aparente, febre isolada, dificuldade de alimentação e amamentação, déficit de aprendizado escolar e atraso na fala (por dificuldade de audição).

 

Tratamento

Dependendo da região acometida podemos usar medicações otológicas tópicas (de pingar no ouvido), antibióticos e anti-inflamatórios orais, medidas comportamentais (orientação de posição de mamadas, avaliar uso de chupetas e mamadeiras, frequência ou não a creches) e em alguns casos tratamentos cirúrgicos (colocação de tubo de ventilação, timpanoplastia, mastoidectomia).



 

Cerume
A cera possui função de proteção da orelha e é responsável pela hidratação da orelha, dificulta entrada de insetos e, por conseguinte diminui as chances de infecções dessa porção da orelha. O excesso de “limpeza” com uso de cotonetes, por exemplo, pode levar à prurido (coceira) recorrente e eventualmente, essa manipulação acaba por impactar o cerume ao invés de removê-lo.

 ​

Sintomas

Prurido (coceira), hipoacusia (diminuição da audição), abafamento auditivo (sensação de orelha tampada) e otalgia (dor) em alguns casos.

Tratamento 

Se o problema for a ausência de cerume por excesso de limpeza, o indicado seria a abolição do cotonete. Em alguns casos é necessário a utilização de medicação tópica otológica (gotas no ouvido). Se houver impactação de cerume, o ideal é agendar uma consulta para que o especialista possa removê-lo.



Perda de audição
As perdas auditivas (hipoacusias), apesar de culturalmente serem associadas ao envelhecimento, estão presentes em todas as idades desde o recém-nascido até o idoso. Rolhas de cerume, infecção, perfuração de tímpano, tumoração, doenças congênitas, doenças relacionadas ao trabalho, medicações e envelhecimento natural da orelha interna (cóclea), podem levar a essa perda. O correto diagnóstico é essencial para um tratamento adequado e efetivo.

Sintomas
Dificuldade de compreensão, diminuição da audição e zumbido.  Em idosos, principalmente, pode ocorrer isolamento social com maior frequência e até mesmo depressão. Nas crianças, o déficit de aprendizagem, atraso de fala ou troca de fonemas podem estar presentes.

Tratamento
Tratamento da causa adjacente, quando houver (rolha de cerume ou infecção, por exemplo), uso de aparelho de amplificação sonora individual (AASI) e em casos selecionados, cirurgias para colocação de próteses auditivas implantáveis (BAHA, PONTO e CARINA são alguns exemplos).



Tontura

As tonturas, popularmente conhecidas como labirintites, podem ocorrer por diversas alterações do nosso organismo. Alterações cardiovasculares (problemas cardíacos ou circulatórios), alterações ortopédicas (hérnias de disco, encurtamento de membros), alterações visuais (diminuição de acuidade visual), tumores e a distúrbios da orelha média e da porção interna da orelha (o labirinto), podem estar envolvidos na gênese do sintoma.

Entre as causas otorrinolaringológicas que envolvem inicialmente a orelha média, as infecções são as mais comuns. Já em relação à orelha interna, encontramos associação com doenças metabólicas (hipertensão, diabetes, dislipidemia, alterações de tireóide, deficiência vitamínica), doenças canaliculares (VPPB), doença de Menière, migrânea vestibular, neurite vestibular (geralmente ocasionada por uma infecção viral), alterações da ATM (articulação temporo-mandibular), entre outras.

Sintomas
Tonturas que podem ser descritas como rotatórias, em desequilíbrio, sensação de “cabeça vazia” ou mal-estar. Podem durar de segundos a horas ou dias, e estarem associadas ou não a zumbido, perda de audição, náuseas e ou vômitos. Nos extremos de idade (crianças que estão começando a andar e idoso), eventualmente o único indício são quedas frequentes, aparentemente sem explicação.

Tratamento

Devido ao número de etiologias (causas) possíveis, o melhor tratamento é o tratamento da causa da tontura. Tontura não é uma doença e sim um sintoma! Descobrir a causa da tontura é essencial para instituir um tratamento adequado e eficaz. 

Considerando que o problema tenha origem na orelha interna e seja exclusivamente uma alteração otorrinolaringológica, o tratamento poderia basear-se em medicações, reabilitações labirínticas, modificações de hábitos de vida e em alguns casos, cirurgia.

 

Faça o agendamento online. É fácil, rápido e seguro.